pensão alimenticia

Pensão Alimentícia

Muitos de nós sentimos que as crianças são os ativos mais importantes em nossas vidas. Eles representam nosso amor, nosso futuro e para muitos de nós nossa maior conquista.

Queremos protegê-los de todas as formas, e sua felicidade, saúde e educação são as principais preocupações. Então, como os filhos podem nos ajudar a tomar decisões de divórcio relacionadas especificamente a eles?

Quase todo professor ou psicólogo lhe dirá que uma das coisas mais importantes que você pode fazer com seu filho é ouvi-lo.

As crianças podem nos dizer o que querem e precisam, só precisamos perguntar e ouvir a resposta delas.

Mesmo as crianças mais novas podem ser capazes de expressar seus desejos. Obviamente, a idade da criança é um fator decisivo para quanta contribuição uma criança pode fornecer no tribunal.

Fazer um plano para os pais é uma boa maneira de tomar decisões relacionadas às crianças.

Os pais trabalham juntos no plano e podem incluir seus filhos, quando apropriado.

pensão alimenticia

Pensão Alimentícia

Fazer isso por conta própria é ótimo se você pode concordar com as questões, mas se não puder, um mediador experiente pode ajudá-lo a resolver quaisquer divergências sobre guarda, assistência e apoio à criança, em uma atmosfera que apóia o amor e o compromisso com família.

Os regulamentos federais são muito claros quando se trata de pensão alimentícia e impostos.

Para fins de imposto de renda federal, a pensão alimentícia é sempre isenta de impostos. Isso significa que nem o pai ou a mãe que recebe pensão alimentícia, nem a criança, devem impostos sobre esses pagamentos.

Os pagamentos de pensão alimentícia devem ser completamente separados dos pagamentos de pensão conjugal e não agrupados como “apoio familiar”.

Este é um passo importante a seguir por um dos principais motivos: enquanto a pensão alimentícia é dedutível dos impostos, a pensão conjugal é considerada renda e tributável.

O acordo final entre os pais precisa ser muito claro ao identificar quais pagamentos são para pensão alimentícia e quais são para pensão conjugal, para que os pais em litígio não sofram encargos tributários desnecessários.